top of page
Buscar

Adição de renováveis em 2023 deve ser recorde histórico

Segundo a IEA, devem ser agregados 440 GW no ano, sendo 65% de solar.

Projeção da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) aponta que a adição de nova energia renovável em 2023 deve aumentar em 107 GW, chegando a um total no final do ano de 440 GW agregados ao grid global.


Imagem: Divulgação


Se concretizado, trata-se do maior número absoluto de todos os tempos, segundo a agência.


A energia solar fotovoltaica continuará sendo a principal fonte de expansão global da capacidade renovável em 2023 e responderá por 65% do crescimento anual previsto (286 GW), com a geração distribuída, incluindo sistemas residenciais e comerciais, respondendo por quase metade da expansão global de energia fotovoltaica.


A explicação é que, desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, a crise energética global elevou os preços da eletricidade no atacado e no varejo em muitas partes do mundo, tornando os pequenos sistemas solares fotovoltaicos mais atraentes economicamente para clientes residenciais e comerciais.


Já na fonte eólica, após dois anos consecutivos de declínio, as adições globais anuais de capacidade devem saltar 50% em 2023, para quebrar o recorde de 2020.


Esse aumento está sendo alimentado principalmente pelo comissionamento de projetos na China que foram adiados por restrições relacionadas à Covid no ano passado.


Para 2024, o crescimento anual do mercado de energia solar fotovoltaica continua, segundo o relatório, atingindo quase 310 GW em 2024, um aumento de mais de 8% em relação a 2023.


A razão seria a continuidade de preços mais baixos dos módulos, maior adoção do sistema fotovoltaico distribuído e um impulso político para a implantação em larga escala, o que favorece o desempenho de China, União Europeia, Estados Unidos e Índia.


Para o Brasil, porém, mudanças nas regras de net metering devem reduzir as taxas de remuneração pela geração de excedentes, impactando as adições de novas plantas em na comparação entre 2023 e 2024.


Fonte: Fotovolt


Comments


bottom of page